Pular para o conteúdo

A fé “arranca” graças do Senhor

Muitas vezes, segundo os Evangelhos, o Senhor operou milagres, curando enfermos, expulsando demônios e perdoando pecados, e depois de conceder estas graças, explicava ao interessado: A tua fé te salvou! É o que acontece na cura dos leprosos (Lc 17, 19), com a mulher de Canaã (Mt 15,28), com o mendigo cego (Mc 10, 52), entre outros.

Mas o que mais chama a atenção é o episódio da cura da hemorroisa. Uma vez curada, Jesus diz a ela, como os outros, sua fé te salvou, mas a diferença com o resto das curas milagrosas é que aqui Jesus faz o milagre sem perceber: essa mulher “tira” a graça requerida, poderíamos dizer, a graça necessária.

Esta mulher sofria de sua doença há doze anos e tentou de tudo para se curar, gastando seus bens, (“ela gastou todas as suas posses sem lucro Mc 5, 26). Quer dizer, ela não tinha esperança, mais do que no poder de Jesus Cristo. Por isso, sua fé é grande e é capaz de extrair a graça que ela buscava do Senhor, porque apesar de sua longa espera e quão cética ela pode ter ficado depois de tentar de tudo e apesar de todo o seu sofrimento (ele havia sofrido muito com muitos médicos piorando Mc 5.26), ela coloca sua fé em Jesus Cristo. “Se eu conseguir tocar nas vestes Dele, serei curada, diz São Marcos (5,28) que ela pensou.

Mateus (9, 20) diz que ela tocou apenas a barra de seu manto. Ela sabia que não faltava mais para obter a graça de Deus. E também por isso sua fé é grande, porque para tocar até na barra de Jesus, ela teve que ignorar sua própria impureza e indignidade. O livro de Levítico (15, 19), com efeito, prescrevia que toda mulher que sofria de fluxo de sangue ficava impura por sete dias, até que o fluxo cessasse. Ser impura  significava que tudo com que ela tinha contato também era impuro: pessoas, móveis, roupas. E como ela sofria dessa doença há doze anos, podemos imaginar a rejeição que ela teria sofrido, pois não só ela não poderia ter contato com as pessoas, como também as pessoas não poderiam ter contato com nenhum objeto que ela tocasse. É por isso que o ato de tocar a barra do manto do Senhor requer muita coragem, porque se alguém o descobrisse, a acusaria de ter deixado o Senhor impuro. Por isso, provavelmente, ela procurou tocar o manto sem ser vista (aproximou-se por detrás Lc 8, 44), para não deixar impuro o Senhor (porque se operasse milagres com poder divino, a própria divindade não poderia permanecer impura), mas para evitar o escândalo. E por isso quando o Senhor diz saber quem o tocou, aproximou-se assustada e trêmula (Mc 5,33).

E o efeito é, como dissemos, a graça de Deus: «Alguém me tocou, porque senti que uma força misteriosa saiu de mim, diz Jesus (Lc 8, 46).

O Senhor permite que as doenças nos aflijam, porque elas servem para nos fazer voltar ao único necessário. As dificuldades nos fazem colocar nossas esperanças somente em Deus, e testar nossa fé em sua onipotência, fazendo-a crescer.

Que este milagre do Senhor não sirva para copiar a fórmula da fraqueza em nossa oração: aproxime-se reconhecendo nossa total indigência, pois ela havia perdido seus bens sem permitir que nossa indignidade fosse um obstáculo para implorar por sua misericórdia, quando ela se aproximou do Senhor apesar de sua impureza; e colocando toda a nossa fé e esperança no contato que estabelecemos com Deus por meio da oração, mesmo que pareça que o Senhor nos virou as costas, buscando um contato salvífico com Ele, mesmo que seja apenas tocando a borda de Seu manto . Esta fórmula arrancou a graça que ela buscou de Nosso Senhor Procuremos reproduzi-la para obter abundantes graças celestiais.

Pe. Andrés Francisco Torres, IVE